[PT] Casado (♂x♂)? 53

Leve spoiler. Lin é arretado demais
Espero que gostem do cap

English readers, here’s the English version

 

Capítulo anterior Próximo Capítulo

Casado (♂x♂)? 53

— Porra! Seu merdinha! — gritou Thomas quando seu personagem morreu outra vez. Ele segurou o controle com mais força e bufou pelo nariz, tentando controlar a raiva. Conseguiu, bem pouco.

— Você é um bosta, velho! Agora é minha putinha — disse uma voz vindo da TV.

Graças a esses insultos, todo o autocontrole de Thomas foi para por água abaixo, e ele xingou o máximo que podia. Em vez de ficar bravo, ele só fez o outro jogador rir.

Lin estava no quarto, escrevendo algumas postagens para seu blog, e foi para a sala. Ele olhou para o namorado e a TV, então percebeu logo o que acontecia. Ele sorriu e massageou os ombros de Thomas.

— Não se preocupe, querido. Você vai vencer ele na próxima.

— Quem é? Seu namorado? — zombou o outro jogador, rindo de novo. — Eu sabia que você era uma bichinha.

Thomas cortou o microfone na hora, resmungando, frustrado, enquanto esperava seu personagem renascer. Graças a presença de Lin, ele não estava mais tão bravo.

— Não acredito que um merdinha desses tá me matando tão fácil… A culpa é sua — reclamou ele, de forma infantil. — Graças a você me transformar em um membro funcional da sociedade, não tive muito tempo pra jogar tanto quanto antes.

— Sinto muito que você não tem tanto tempo para jogar seus joguinhos mais, amor. — Lin abraçou a cabeça dele e o beijou.

— Melhor se responsabilizar por isso — murmurou Thomas, amuado.

— Eu vou. De hoje em diante, não vamos transar até você ficar tão bom quanto um jogador profissional. Que tal? — perguntou ele, sorrindo.

— Parece mais que você tá me bulinando. — Thomas não conteve uma risada.

— Tadinho. Então quer que eu cuide do bully pra você?

— Não precisa, mãe. Sei que não sou foda nem nada, mas seria o fim da picada precisar do meu namorado pra isso. Nãos e preocupe. Eu vou jogar para valer agora e matar esse merdinha sozinho. — Ele se ajeitou no sofá, inclinando-se para frente quando o personagem reviveu.

— Esse é o meu garoto. Merece um sanduíche. — Lin apertou a bochecha dele depois a beijou.

— Valeu, querido — disse, mais confidente do que nunca.

No entanto, quando ele voltou, o humor do namorado estava amargo e ele estava de biquinho de novo.

Lin nem precisava perguntar o que aconteceu; Thomas havia morrido de novo, e, pela cara, foi pelas mãos do mesmo cara de antes.

Ele ofereceu um sanduíche com um sorriso simpático. Thomas comeu bravo sem dizer nada.

Quando o personagem reviveu, ele não estava mais tão mal-humorado. Mas, quando o mesmo cara o matou de novo, ele parecia ainda mais irritado do que antes.

— Você joga tão mal que nem parece que tá tentando! — zombou o outro jogador, rindo mais alto do que antes. — Por que não vai ser uma bichinha e chupa o pau do seu namorado? Aposto que é melhor nisso do que nesse jogo.

— Quer que eu mate esse pirralho de merda pra você? — ofereceu Lin, após a quinta morte.

Thomas olhou para ele, depois para a TV. Então ele interrompeu o chat de vez, ele sabia que o outro jogador ria.

— Por favor — murmurou, entregando o controle para o namorado, enquanto ele se jogava para o lado, abrindo espaço no sofá.

— Eu vou fazer ele se arrepender de zoar com o meu homem. Só eu posso fazer isso. — Lin o beijou na bochecha, sentou na frente da TV e tirou o mudo do chat.

O oponente ainda ria.

No instante em que reviveu, Lin foi atrás do outro jogador que focava em seu namorado.

A primeira vez que foi morto, ele só riu. Na segunda, ele deu um elogio reverso. Na terceira, ele reclamou do lag. Na sétima, ele xingava e gritava tanto que mal dava para entender.

— Bichinha de merda! — Foi uma das coisas que eles entenderam. — Vai chupar o pau do seu namorado e deixa os homens de verdade jogarem!

— Só pra sua informação, eu sou gay mesmo. E quem limpou o chão contigo foi o meu namorado. E agora você é a putinha dele! — Thomas gritou de volta, sorrindo demais. — E vou fazer o que você sugeriu. Enquanto isso, que tal você deixar os homens de verdade jogarem, moleque.

O outro jogador xingou mais algumas vezes antes da partida acabar e ele deslogar.

— Querido, isso foi foda! — gritou Thomas, abraçando Lin e o entupindo de beijos. — Eu sabia que você era bom, mas não fazia ideia de que era tão bom assim!

— Eu joguei bastante quando estava desempregado. Que bom que não enferrujei.

— Pode crer! Você merece um prêmio! Vai, pede qualquer coisa!

Lin mostrou um sorriso estranho e ergueu uma sobrancelha.

— Você disse “qualquer coisa”?

***

— Sabe, quando eu disse qualquer coisa, não esperava isso — disse Thomas, ele estava com a cintura de Lin em uma mão e segurava a mão do namorado com a outra, enquanto Lin o segurava pelo ombro.

— Não vai dar para trás, vai? — Lin olhou nos olhos dele.

— Não. Prometi, e um homem de verdade mantém a palavra. Só tô surpreso de você ter escolhido isso…

— Que foi? Esperava algum pedido cabuloso na cama?

O sorriso malicioso de Lin foi o bastante para fazê-lo corar. Ele deu de ombros e riu.

— Meio que sim… Aquele moleque sugeriu algo bom até…

— Qual é. Você já faz isso e bem mais sempre que eu quiser. Mas quais as chances de convencer você a dançar comigo?

Thomas pensou por um instante. Depois sorriu e deixou os ombros caírem.

— Ínfimas. É que parece bobagem fazer isso aqui. E sem música… É preciso distrair você da minha falta de coordenação.

Eles tinham empurrado a TV e a mesa de centro para mais perto do sofá e abriram espaço no meio da sala de estar. Foi o bastante para os dois dançarem sem se preocuparem de bater em nada.

— A música não importa. Eu quero dançar com vocÊ. Faz tanto tempo desde a última vez. E a gente não tava namorando ainda.

— Ainda que diga isso… Que vergonha — murmurou Thomas, com o rosto vermelho.

— Se precise mesmo de música, então cante para mim. — O rosto de Lin se animou do nada. — Isso! Que nem daquela vez!

— Te lasca! Isso é pior ainda! Você precise diminuir a vergonha, não aumentar.

O sorriso de Lin murchou, igual a um balão furado. Antes que Thomas cedesse, ele sorriu de novo.

— Então deixa que eu canto!

Conforme ele começou a cantar a mesma abertura de anime de antes, os dois dançaram, com ele tomando a liderança.

Thomas acabou rindo. Então, apesar do rosto vermelho, ele cantou junto, fazendo seu amado sorrir, muito feliz.

Capítulo anterior Próximo Capítulo

Obrigado por lerem
Espero que tenham gostado.

Até sair o próximo cap, curtam outras histórias BL como Por Favor Me Chame de Professor e O Nadador e o Assistente

About phmmoura

Just an amateur writer who wishes to share the world inside his head.
This entry was posted in Casado? and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to [PT] Casado (♂x♂)? 53

  1. Pingback: [PT] Casado (♂x♂)? 52 | PHMMoura

  2. Pingback: [PT] Casado (♂x♂)? 54 | PHMMoura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s