[PT] Casado (♂x♂)? 43

Cap novo de Casado (♂x♂)
O que acham de Tom e Lin como pais?
Do jeito que eles se amam, é só questão de tempo… né?
Espero que gostem do cap

English readers, here’s the English version

 

Capítulo anterior Próximo Capítulo

Casado (♂x♂)? 43

Thomas soltou um suspiro profundo e irritado.

— Sim, amor, eu sei que você preferia estar em casa agora — disse Lin, meio impressionado. — Não precisa deixar tão na cara.

— É por isso que eu te amo. Você me conhece tão bem — disse Thomas com um sorriso forçado. — Sendo assim, vamos pra casa e não desperdiçar esse belo dia aqui fora!

— Você sabe bem que a gente precisa de uma cama nova. E aproveitaríamos muito mais o dia de hoje com uma cama — murmurou Lin, com o rosto levemente vermelho.

Thomas não conseguiu conter o sorriso envergonhado. Meu namorado sabe me manipular…

— A-Acho que é u-um bom motivo…

— Além do mais, dormir em um colchão no chão não faz bem pra gente.

— Aí eu já não sei. Eu estou dormindo muito bem nessas últimas semanas. E tudo graças a você — disse Thomas, tentando fazer o namorado ficar vermelho.

No entanto, Lin sorriu e o beijou na bochecha.

— Estou feliz em ouvir. Mas saiba que sei da sua dor nas costas, tipo gente velha.

— Isso é porque a minha cadeira no serviço é uma merda. Pedi uma nova, mas fui ignorado desde então.

— Não acredito que você ainda acha que me engana. Após tantos anos, já devia ter caído a ficha de que isso nunca vai acontecer. — Lin riu e revirou os olhos.

— Não estou tentando enganar você. É verdade que a minha cadeira é uma merda!

— Sim, isso eu entendi. Mas a dor nas costas é por causa da cama. Agora vamos comprar uma nova.

— Não podemos pedir online? Sei que podemos achar mais barato na internet. — Thomas suspirou de novo.

— O frete é muito caro. Já conferi — respondeu Lin antes de Thomas abrir a boca. — É mais barato se comprarmos em uma loja mesmo.

Embora os argumentos tenham sido corretos, impossibilitando uma réplica, Thomas não estava convencido. Malditas lojas online… Por que falam que é entrega grátis pro país todo exceto norte e nordeste? Somos parte do país, porra!

— Ainda não é motivo pra gente perder um sábado com isso… Eu prefiro pagar mais e ficar em casa agora.

— É incrível como você pode ser mão de vaca com umas coisas e gastar dinheiro como se não fosse nada demais em outras.

— Não sou mão de vaca. Uso meu dinheiro de forma sábia, só isso.

— Ah, jura? — Lin riu. — Já que é assim, ilumine-me com sua sabedoria, mestre das finanças. Qual a forma sábia de gastar dinheiro?

— A forma sábia é usar o dinheiro pra otimizar o seu tempo — explicou Thomas, ignorando a risada de seu namorado.

— Otimizar o tempo? — Lin não conseguiu tirar o escárnio da voz. — Sendo assim, me explique como aquele abajur de Dragon Ball Z do lado da nossa cama otimiza o nosso tempo.

Thomas olhou para o namorado, forçando a sua mente a pensar em uma resposta que não fosse tão nerd.

— Ele me motiva a sair da cama e ser mais como o Goku — respondeu, com um rosto sério.

— Meu namorado otaku consegue inventar umas besteiras do nada, hein. — Lin riu e se aproximou de Thomas.

Até ele não conseguiu bancar a resposta e riu quando eles separaram seus lábios.

— É, bom… Você se apaixonou por mim, né.

— Pois é. E não podia estar mais feliz. — Lin sorriu e abraçou o braço do namorado. — Mas demorou quanto tempo?

— Tempo não importa. O negócio são os resultados. Lentos e firmes. Aquela história lá do Coelho e da tartaruga.

Eles olharam um para o outro e riram ao mesmo tempo.

— Do que a gente tá falando?

— Não faço ideia. Estou cansado demais, e você não deveria levar nada do que falo a sério.

— Tudo o que você disser pode e será usado contra você — disse Lin, dando um selinho em Thomas.

— Você é ardiloso, Lineu. Está tentando tornar isso divertido pra mim.

— Ah, você descobriu? — Lin sorriu. — Mas demorou demais, de novo.

Era impossível Thomas ficar bravo com seu adorável namorado. Ainda assim, ele fingiu estar e respirou fundo, soltando o ar pelo nariz.

— Não acredito que tô acostumado em ser manipulado por sua pessoa.

— Você fala como se eu puxasse os fiozinhos por trás dos panos.

— E é o que você faz. Por sua causa, eu sou um membro funcional da sociedade. Acordo cedo pra me exercitar, não fico acordado até tarde jogando ou vendo animê mais, e, acima de tudo, estou em um ótimo relacionamento com alguém que amo. Isso é tudo culpa sua, vei.

— Fico tão feliz em ouvir isso. Agora vamos comprar uma cama! — Lin sorriu e arrastou Thomas.

A rua estava cheia de gente. Eles tiveram dificuldade em caminhar lado a lado e precisaram dar as mãos.

Thomas sorriu inconscientemente. Não acredito que andar de mãos dadas me deixa tão feliz… Estou realmente apaixonado por ele.

Eles dobraram uma pequena rua com várias lojas diferentes. Enquanto caminhavam até a loja de cama e colchões, Thomas percebeu Lin dando uma espiada em uma das vitrines.

— Que tipo de cama você quer? — perguntou Lin ao entrarem.

— Uma que dê conta — disse Thomas com um sorriso convencido, apesar do rosto corado.

— Claro, precisamos de uma cama resistente pras suas ideias loucas. — Lin riu e bateu nele de forma amigável.

— Minhas? É você que…

— Bem-vindos! — Quase como se brotasse do nada, uma vendedora apareceu ao lado deles. — Posso ajudá-los?

— Sim. Precisamos de uma cama. A nossa antiga… quebrou — disse Lin, tentando conter o riso.

Thomas nem tentou. Ele desviou o olhar e cobriu a boca, mas não foi o bastante para esconder a risada envergonhada. Graças a isso, Lin não aguentou e acabou rindo também.

— Acho que temos o que vocês estão procurando. — A vendedora entendeu e sorriu também. Ela levou os dois para mais fundo na loja, onde as camas de madeira ficavam. — Essas são mais resistentes.

— E aí? — perguntou Thomas. — Francamente, enquanto der pra colocar um colchão em cima, eu estou de boa.

— Nem. Olha, essa aqui é grande. Isso é bom, especialmente porque você pega muito espaço da cama.

— Quê? Não pego.

— Ah, pega sim. Quase me empurra da cama após cair no sono. Toda santa noite — disse Lin, mostrando um sorriso fofo.

— Calúnias. — Thomas negou com a cabeça.

— Você também pega todo o cobertor, aliás.

— Vai mentir mais? Sério?

— Posso testar? — Lin riu para o namorado e depois falou com a vendedora.

A mulher assentiu, e ele deitou na cama. No entanto, em vez de ficar na metade do colchão, ele estava no canto, quase caindo.

— Vai mesmo insistir nessa piada sem graça?

— É assim que eu durmo. Digo, como acabo após você me empurrar.

— Estou nem um pouco surpreso, ok.

— Ah, mas eu sim. Vamos ver mais camas.

***

Thomas estava vermelho, suando e arfando. Apesar da raiva, ele não desistiu.

— A gente devia ter pago… — Lin estava ao lado dele, com um sorriso simpático.

— Era caro demais. Eles estavam dando uma facada no nosso bolso com aquele preço! — Thomas apertou os itens com mais força que o necessário.

— Sim, total. Mas você não falou algo sobre usar o dinheiro para otimizar o tempo? Se tivéssemos pago para montarem a cama, poderíamos estar testando agora. Seria mais sábio. E divertido também.

— Cala a boca — murmurou Thomas, amuado, fazendo o namorado rir.

— Aqui. — Lin passou um copo de água pra ele.

— Valeu. — Thomas bebeu em um gole e devolveu o copo. Ele respirou fundo, de rosto vermelho. — Me dá uma mão aqui.

Juntos, os dois conseguiram montar a cama e colocar o colchão por cima.

Após terminarem, Thomas limpou o suor da testa.

— Finalmente. Demorou muito mais do que deveria. Instruções de bosta.

— Teria ajudado se você não tivesse destruído a versão em português e inglês.

— A culpa não é minha! O papel de merda que rasga fácil!

— Claro, a culpa é do papel — zombou Lin, mostrando um sorriso maldoso.

— Nem começa — murmurou Thomas, pegando na mão do namorado para ver o fruto do esforço deles. — Ficou legal.

— Sim, ficou. E você ficou tão másculo montando a cama.

— Ah, para — murmurou Thomas de novo, de rosto vermelho, que nada tinha a ver com o esforço físico. Ele envolveu os braços ao redor da cintura de Lin e aproximou o namorado de si. — Só tem uma forma de testarmos se a nova cama é boa.

— Você tem razão — disse Lin, com um sorriso malicioso.

Ambos se beijaram e deitaram na cama, ficando ainda mais suados do que já estavam.

Capítulo anterior Próximo Capítulo

Obrigado por lerem
Espero que tenham gostado.
Tem que testar a cama, né?

Até sair o próximo cap, curtam outras histórias BL como Por Favor Me Chame de Professor e O Nadador e o Assistente

About phmmoura

Just an amateur writer who wishes to share the world inside his head.
This entry was posted in Casado? and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s