[PT] Re;Blade 26

Último cap do primeiro volume de Re;Blade
Espero que gostem

 

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Capítulo 26 – O Juramento

Tetsuko não desgostava de observar o trabalho do ferreiro.

É interessante ver como outro ferreiro trabalha. Os únicos que já vi foram meu pai e meu discípulo…

Tetsuko amava o som de metal batendo contra metal, o ar quente da forja e o cheiro. Mas isso a deixava com sentimentos complicados.

Apesar de toda a sua frustração por não ser capaz de bater no metal com as próprias mãos, ela estava o mais perto possível de uma forja desde sua morte.

Se eu pudesse segurar um martelo de novo, pensou a alma dentro da espada. Mas logo deixou para lá. Não sou mais uma ferreira… sou uma espada agora…

Uma espada bárbara ainda por cima…

Ela suspirou mentalmente, frustrada. Ainda que eu lamente, nada vai mudar, pensou, voltando sua atenção para o ferreiro de novo.

Ele não é tão ruim… Apesar da falta de habilidade, suas armas são afiadas… mas elas vão quebrar logo por causa do metal de baixa qualidade…

No entanto, ainda que Tetsuko amasse forjar, ela queria que a sala ficasse quieta e vazia logo.

Porque, após todos irem, Nicolas iria até a forja.

Desde o acordo entre os dois, aquele que já foi a Espada do Rei andara vindo ao depósito de armas no meio da noite. Era quando a energia de Dale estava mais fraca, e seu novo portador recuperava o controle da alma.

Nicolas cortara a carne quatro vezes com a lâmina de Tetsuko já, e ela ainda lutava para devorar aquela poderosa energia corrompida.

Segundo o bandido, Dale não podia controlar aquela energia, porque ela não bebera do sangue dele.

Eu sei que Nicolas disse isso, mas parece que o Caos Sortudo está dentro da minha alma… escondido no canto da minha mente… só esperando…

Mas, agora, Tetsuko não podia fazer nada para não pensar nessa sensação.

Ao menos isso confirmou… A alma dentro da espada entendia agora que foi por meio do vinho que Otto adquirira aquela energia.

Mas Nicolas não confirmou para ela. Não podia. Apesar do controle que tinha, se ele falasse demais, Dale descobriria.

A janela de tempo que ele estava completamente livre de Dale ficava menor a cada noite.

Caos Sortudo está ciente de que algo está acontecendo… mas ele não sabe ao certo o que…

O pior ainda era que, sob o controle de Dale, Nicolas foi forçado a mandar fazerem outra bainha para ela, selando seus sentidos.

Nicolas queria deixá-la livre, mas a alma dentro da espada sabia que aquilo só aumentaria as suspeitas do nobre.

E, com Otto aqui, Dale tem mais um par de olhos à disposição…

Já que Tetsuko não podia fazer muito, ela focou sua energia em outra coisa.

Ela andou analisando a energia corrompida que vinha devorando toda noite.

Até antes de devorar, ela sabia que era uma energia profunda, quase maligna.

Após provar dela, ela percebeu que estava em um nível bem diferente.

É como se eu estivesse entrando em uma fornalha…

Ainda assim, ela tentou manipular aquela energia, como costumava usar o calor para manipular o metal.

A pouca energia que conseguiu controlar já a impressionou.

Quando Tetsuko usou sua própria energia, ela caiu da prateleira.

Quando usou uma partícula daquela energia corrompida, ela vibrou tanto que a prateleira desabou.

A alma dentro da espada mal podia aguardar para ver Nicolas.

Não só pela energia, mas também pela sensação de cortar a carne novamente.

Pensando bem, faz tempo desde que matei alguém…

Ao perceber o que pensava, Tetsuko não soube o que deveria sentir.

Eu me tornei cada vez menos humana… Mas não sou mais humana também, de todo jeito…

Enquanto refletia sobre isso, Tetsuko sentiu movimento fora do depósito de armas, embora estivesse dentro da bainha, ela não sabia se era Nicolas ou não.

Quando a pessoa abriu a porta, a alma dentro da espada sentiu a frustração dentro de si.

Não era seu novo portador.

Tetsuko teria ignorado o homem se ele não tivesse caminhado até ela.

Eu conheço ele…

Era o jovem bandido com cabelo castanho curto e uma cicatriz na bochecha que ela viu no acampamento de Alonso.

O traidor… Esqueci de perguntar ao Nicolas sobre ele…

Ele a olhou por muito tempo antes de pegá-la. Então desembainhou a espada com cuidado.

Os sentidos de Tetsuko voltaram, embora não por completo.

O bandido parecia satisfeito e a embainhou de novo, fazendo-a perder os sentidos.

Mas esse breve instante foi o suficiente para ela entender.

Ele não é controlado pela energia de Dale… ele está agindo sob as ordens de outra pessoa…

Esse garoto não ousaria me tocar a menos que fosse uma ordem de Nicolas… sob o controle de Dale…

Merda… não sei se ele sabe, mas Caos Sortudo não vai me deixar encontrar mais o Nicolas… ele não vai deixar que eu devore mais de sua energia…

A energia de Tetsuko começou a fervilhar dentro da bainha.

Seu corpo de metal começou a vibrar, fazendo o jovem bandido a encará-la com medo.

Então ela acalmou sua fúria.

Ainda que eu use minha energia e torne minha lâmina pesada demais pra ele carregar. Ou até vibre tanto que ele não possa me tocar, o que eu ganharia com isso?

Dale ainda faria Nicolas se afastar de mim…

Tetsuko encarou o rosto jovem e assustado que a carregava como se abraçasse algo precioso.

O que vai ser de mim agora…?

Enquanto ela pensava no que fazer, o jovem bandido foi para o depósito de comida que estava sem guardas.

Comida…? Por que ele está roubando comida…?

Intrigada, a alma dentro da espada apenas assistiu.

Após ter pego um pouco de carne seca e umas frutas, então guardar tudo em um saco, para a surpresa de Tetsuko, o jovem foi até a prisão.

Ele vai libertar o Alonso…?

O jovem mal respirava, suando e olhando por sobre os ombros o tempo todo.

Mas o corredor a prisão estavam desertos.

Com as mãos tremendo, ele pegou uma única tocha na entrada e caminhou até a cela mais longe, onde a luz não alcançava.

Ele bateu levemente na porta.

— Meu senhor…? — sussurrou antes de empurrar a barra.

A pesada porta de madeira rangeu, o som ecoou como um grito na silenciosa prisão. O garoto estremeceu; o cheiro de fezes e comida estragada só piorara.

— Quem…? — perguntou uma voz rouca em um canto escuro em que a luz da tocha não alcançava.

Tetsuko mal reconheceu a voz ou seu dono.

Ele ficou tão fraco, pensou a alma dentro da espada enquanto olhava para seu antigo portador.

O estado de Alonso era mais deplorável do que antes.

Seu corpo ficou mais magro, os olhos afundaram, a barba mal nivelada cobria parte do rosto, a maior parte do cabelo havia caído.

Ele estremeceu e fechou os olhos ao ver a luz. Mas nem cobriu o rosto.

Quando se acostumou à luz da tocha, ele encarou o jovem bandido e depois seu olhar parou na espada.

— Então é minha hora — disse, quase como se fosse um alívio.

— Não, meu senhor… E-Eu vou te tirar daqui — sussurrou o jovem. Ele tirou um pouco de comida do saco e ofereceu. — Aqui. Coma algo antes de escaparmos.

O lorde olhou para a comida, a fome preenchendo seus olhos, o estômago roncando. Ainda assim, ele não tocou na comida.

— Quem é você…?

— Meu senhor, eu sirvo você. Quando vi o levarem, fingi ser um dos bandidos e me misturei com eles — explicou.

Alonso balançou a cabeça, sem entender. Mas o esforço parecia ser demais para ele.

— Por favor, meu senhor. Coma isso. Explicarei no caminho — apressou ele, quase desesperado. — Não temos muito tempo.

Alonso assentiu, fraco, e aceitou a comida. Pela primeira vez, o lorde perdeu sua dignidade enquanto dava uma mordida generosa na carne seca. Então ele devorou a maçã inteira, o suco escorrendo por sua barba.

Não foi o bastante; seu estômago ainda roncava. Mas era o suficiente para ele levantar, oscilando sobre pernas enfraquecidas. Com a ajuda do jovem, eles saíram da prisão.

— Por aqui — disse o soldado quando eles atingiram uma interseção.

— Este lugar está vazio — sussurrou Alonso.

Tetsuko concordou. Ainda dentro da bainha, eu deveria ser capaz de sentir alguém agora…

Apesar da fuga ter ido bem, ela não podia parar de pensar em como havia algo muito errado em toda a situação

Se ele quer libertar Alonso, por que se daria ao trabalho de me pegar? Não é como se eu fosse uma herança de família… Sou uma espada poderosa que ele deu sorte de comprar antes dos outros… não faz qualquer sentido…

— Os líderes deles estavam de bom-humor hoje à noite. Mandaram abrir a melhor bebida e todos beberam até caírem — explicou o soldado com um sussurro tenso. — Até os guardas estão bêbados agora… é a melhor chance para escapar, meu senhor…

Por que Dale permitira isso? Não faz sentido…

Até a entrada da caverna estava vazia quando eles saíram do lar dos bandidos. Eles caminharam até um pântano selvagem até alcançarem um caís pobre.

— Cuidado, meu senhor — disse o soldado jovem enquanto ajudava Alonso a subir em um dos pequenos barcos.

Após o nobre estar são e salvo, ele colocou a espada a seus pés e empurrou o barco, atravessando a escuridão sem fim que era perfurada apenas pela luz da pequena tocha.

O jovem estava mais assustado do que nunca agora.

Não posso culpá-lo…

Até dentro da bainha, Tetsuko podia sentir a vida animal debaixo da superfície da água fedida, aproximando-se cada vez mais do barco.

Então, pela primeira vez naquele mundo, a alma dentro da espada sentiu medo enquanto muitas energias iam na direção deles. Mas havia uma em especial que deu calafrios no corpo de metal dela.

O crocodilo gigante…

Se ele atacar, pode nos levar até o fundo do pântano… se este metal especial não enferrujar, eu vou morar aqui… para sempre…

Enquanto ela começava a concentrar sua energia, para sua surpresa, o animal não foi na direção deles.

O crocodilo gigante nadou ao redor deles, mordendo e empurrando qualquer coisa que tentasse se aproximar deles.

Por que… ele só obedece Nicolas… e o Dale, por extensão…

Mas, antes que ela tentasse entender, um crocodilo menor passou pelo grande.

Merda!

Ela rapidamente fez sua energia fluir de um lado para o outro para fazer um som.

O soldado notou e olhou para ela.

Foi Alonso quem percebeu as bolhas na água brilharem na beira do anel de luz ao redor do barco.

Ele estava fraco demais para gritar, então somente ergueu sua mão fraca.

Com medo estampado no rosto, o jovem desembainhou a espada ao mesmo tempo em que a cabeça do animal ficou visível.

Ele não vai ser capaz de me usar, entendeu ela.

Tetsuko concentrou sua energia, fazendo-a se reunir e ficar mais densa.

Quando o garoto a trouxe para baixo, o corpo de metal bateu contra o nariz do animal.

Mas, em vez de cortá-lo, ele esmagou a cabeça como um martelo, matando o crocodilo com um golpe.

O soldado ficou assustado demais para notar.

Tetsuko sorriu em sua mente. Funciona… Embora fosse uma espada, se ela usasse sua energia, poderia esmagar e destruir seus inimigos.

Como ferreira, isso é um ultraje. Mas como espada, é interessante… e útil.

Alonso estava fraco demais para agradecê-lo, mas assentiu, demonstrando gratidão.

— E-estaremos longe daqui logo, meu senhor — disse o garoto, tentando convencer a si mesmo também.

Com a proteção do crocodilo gigante, eles alcançaram um estábulo podre e roubaram um cavalo para ambos; Alonso estava enfraquecido demais para montar um sozinho.

— Obrigado… obrigado… — disse o nobre, enquanto se afastavam do pântano.

— Você é meu senhor, meu comandante. Qualquer um teria feito isso — disse, olhando para trás e se certificando de que ninguém os seguia.

Tetsuko sabia que era uma mentira.

Se não estiver sob as ordens de Dale…

Mas não faz sentido me roubar…

Alonso tossiu e quase caiu do cavalo.

— Meu senhor, por favor, beba isso. Vai ajudar.

O garoto passou a ele um cantil de dentro de seu bolso.

Alonso aceitou e bebeu sem hesitar.

Tetsuko estava focada demais em seus pensamentos para sentir. Mas então viu o líquido vermelho caindo dos lábios do nobre.

Vinho…

No instante em que percebeu, ela sentiu a semente da energia corrompida crescendo dentro da alma de Alonso.

Merda… agora faz sentido…

Essa fuga faz parte do plano de Dale… Nicolas disse que ele queria um peão… mas como Alonso preferiu morrer a beber o vinho, ele precisou criar este plano… e agora tem um peão que não é um prisioneiro… e até me separou do Nicolas…

Mas esse não é o problema…

Se o Alonso se tornou um peão agora, ele não vai lutar tanto… E isso é um problema para mim…

Se eu não matar mais, não vou ficar mais forte…

Então ela olhou para Alonso, sentindo a frustração crescer.

Mas, ainda que eu recuse, não posso escolher meu portador… não agora… ainda não…

Tetsuko só podia crescer se estivesse com alguém, mas ela ainda precisaria ficar forte o bastante para escolher quem a usaria.

Eu ficarei, jurou a alma dentro da espada para si mesma.

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Obrigado por lerem o último cap do Vol 1 de Re;Blade
A história ainda não está nem perto de acabar.
Mas vou dar uma pausa para organizar tudo e voltar ainda melhor.
Até lá, podem acompanhar minhas outras histórias

Se gostam da história e quiserem ajudar, me apoiem no Apoia-se e se inscrevam na minha lista de emails para não perder nenhuma novidade.

About phmmoura

Just an amateur writer who wishes to share the world inside his head.
This entry was posted in Re;Blade PT and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to [PT] Re;Blade 26

  1. Pingback: [PT] Re;Blade 25 | PHMMoura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s