[PT] Re;Blade 17

Cap 17 de Re;Blade
A derrota pode se tornar uma ameaça pior do que Alonso pensava
Espero que gostem do cap.

 

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Capítulo 17 – A ameaça

A dor ainda estava lá. Ainda assim, Alonso colocou sua armadura recentemente desamassada.

Enrique olhou para ele do canto do olho. O assessor queria mandar seu senhor descansar, mas sabia que era impossível. Não quando havia uma luta a se vencer.

— Aqui está o que descobriram na floresta, meu senhor. — O conselheiro entregou um pedaço de papel dobrado.

O nobre estendeu a mão para pegar, se contorcendo com a ação. Ele grunhiu, mas ignorou a dor e leu o que estava no papel. A dor em seu rosto perdeu espaço para a expressão sombria enquanto ele descia pela lista.

— Tudo isso…? — perguntou Alonso, a descrença clara em seu rosto.

— Sim… foi tudo que conseguimos achar no lar deles — disse o homem com uma voz cheia de remorso.

Alonso voltou sua atenção para o papel em mãos.

— Isso é… — Ele não conseguiu terminar a frase.

Mesmo em sua bainha desconfortável na cintura dele, Tetsuko pôde ver o que estava escrito no papel. Para sua surpresa, ela entendeu a estranha carta. Posso ler essa escrita estranha graças às memórias de Fael.

Enquanto lia, Tetsuko pôde ver o motivo por trás do choque de seu portador.

A lista continha muitos itens que um grupo de bandidos não deveria ter.

Bestas, armaduras, armas e flechas eram uma coisa.

Não poderiam ser considerados uma ameaça sem isso, mesmo com o grande número.

Mas não eram todos os grupos de bandidos que possuíam mapas detalhados das terras e castelos próximos.

E tinha mais.

O maior problema eram os últimos itens na lista.

Os soldados tinham encontrado armas de certo dentro da floresta.

Os bandidos planejavam invadir um castelo. Tetsuko entendeu o que se passava. Eles planejavam usar o caos no reino e tomar um castelo…

O grande estoque de comida que os bandidos mantinham na floresta reforçava essa ideia.

E não foi o fim do choque do senhor.

— Como eles conseguiram isso…? — disse Alonso, pegando outro pedaço de papel da mesa.

Estava amassado e escrito às pressas. Mas o conteúdo tinha potencial para destruir o reino.

Anotações detalhadas dos movimentos do exército na área e os inimigos com quem lutavam…

Ainda que a alma dentro da espada não reconhecesse os nomes, ela viu o nome do portador no papel. Os bandidos sabiam que ele atacaria… mas não sabiam quando…

E se os bandidos conseguiram algo assim, só pode significar uma coisa, soube Tetsuko.

Ela também sabia que seu portador chegara à mesma conclusão.

— Traição — murmurou Alonso o que estava na mente da espada.

— Sim… Tem alguém informando os bandidos sobre o reino — disse Enrique.

— Eles até tinham as ordens da nossa partida… como conseguiram isso…?

Um silêncio pesado preencheu a tenda.

O lorde releu o papel várias vezes.

— M-meu senhor, você… você acha que os bandidos poderiam ter alguém dentro do exército? Não significa necessariamente…

— A informação nesses papéis é importante demais… só alguém na alta corte poderia saber de tudo isso…

O conselheiro ficou quieto. Ele sabia que seu lorde estava certo. E também o verdadeiro significado daquilo.

Sim… a única forma dos bandidos conseguirem uma informação desse nível de alguém como um nobre… ou possivelmente até um lorde…

E se meu portador trouxer isso pra corte, vai apenas gerar dúvida em todos… no estado caótico em que o reino se encontra, não tem como poderem lutar contra todas as ameaças e procurarem pelo traidor ao mesmo tempo…

— Senhor! — gritou um soldado antes de entrar com pressa na tenda principal.

O lorde e conselheiro olharam para ele.

Sem parar para recuperar o fôlego, ele ajoelhou-se rapidamente.

— Lorde Dale está vindo, senhor! — disse, com uma voz sem ar. — Ele enviou um mensageiro nos informando de que chegará aqui logo.

Ao escutar o nome, o conselheiro arregalou os olhos.

O senhor fez o mesmo, seu rosto perdendo um pouco da cor que recuperara.

— O-obrigado — disse Enrique ao se recuperar, mandando o soldado ir embora com um aceno de cabeça.

— Por que o Caos Sortudo está vindo? — murmurou senhor lorde quando estavam à sós de novo, apoiando-se na mesa. — É a última coisa que preciso agora… lidar com ele…

— Não sei, meu senhor. Mas não podemos ignorá-lo — disse o conselheiro, sem esconder a frustração no rosto.

— Eu sei, eu sei…

Alonso cobriu o rosto com uma mão e respirou fundo.

Quem é esse Caos Sortudo? Quis saber Tetsuko. Ainda que não se importasse com as pessoas daquele mundo, a reação de seu portador atiçou sua curiosidade.

— Você já o conheceu pessoalmente? — perguntou o lorde em voz baixa depois de um tempo.

— Uma vez, na festa de casamento da sua prima… ele parecia… velho demais para a idade… mas, mesmo assim, sua presença…

— A presença dele deixa qualquer um… desconfortável demais — terminou Alonso, encolhendo-se. — Como se tivesse algo rastejando debaixo da pele…

— Sim… Ainda lembro daquele dia… Mas ele pode ajudar com a situação. — Enrique tentou ser otimista, embora sua expressão dissesse o contrário.

Alonso soltou uma risada fraca.

— Com a reputação dele, pode pôr tudo a perder para nós… pode até ser minha ruína.

O silêncio reinou novamente na tenda.

— A-As histórias sobre ele são reais…? — perguntou o conselheiro após um tempo. — Só ouvi os boatos…

Alonso se serviu de um pouco de vinho e bebeu lentamente.

— A maioria é verdade — disse o lorde, com um tom sombrio. — O apelido, Caos Sortudo, não é sem motivo. Ele é um homem de sorte tremenda… mas seu sucesso foi graças a queda de outros… ou até a morte de alguns…

— E-Então… o que aconteceu com o irmão e sobrinho dele…?

Alonso engoliu em seco e seus olhos perderam o foco.

— Sim… os herdeiros originais do castelo que agora pertence ao Caos Sortudo… Lembro do irmão dele… era o que você imaginava de um senhor… forte e justo… Eu estava lá no dia… na caçada em que ele morreu… era quase um homem e meu pai permitiu que eu os acompanhasse…

— E… como a sorte de Lorde Dale estava envolvida…?

Alonso olhou para o conselheiro com uma expressão sombria.

— Não consigo esquecer do que aconteceu até hoje. Quando o falcão mergulhou para atacar a presa, o caçador tentou atirar nele de imediato, mas não conseguiu. Ele esperou para atirar, mas o pássaro foi na direção do cavalo dele. O animal se assustou e perdeu o controle. A besta caiu das mãos do caçador e, quando acertou o chão, atirou sozinha… a flecha atingiu o senhor na parte de trás do pescoço… ele morreu na mesma hora…

Enrique engoliu em seco e agarrou o colarinho de suas roupas.

Isso é…um azar e tanto, pensou Tetsuko.

— E… quanto ao sobrinho…?

O lorde balançou a cabeça, solene.

— Também foi trágico… A ama de leite dele comeu algo estragado. Camarão ou algo do tipo, o irmão ganhou em um jogo de cartas nas docas. O bebê tomou o leite dela e no dia seguinte… nunca mais acordou…

A voz do lorde sumiu, servindo-se de outro copo.

Caos Sortudo, pensou a alma na espada. Mas certamente alguém acharia essas mortes suspeitas, não é mesmo? Esse tal de Dale se tornou um senhor graças a duas mortes estranhas…

O conselheiro deu voz aos pensamentos de Tetsuko.

— Sim… todos ficaram com suspeitas… Pessoas investigaram… especialmente os amigos mais próximos… mas ninguém jamais encontrou qualquer coisa. Nem uma única prova ligando Dale às mortes do irmão mais velho e sobrinho…

— Então a sorte dele significa a ruína de outra pessoa…

— Sim… Houve mais casos… situações estranhas… mas o apelido Caos Sortudo já circulava…

O silêncio reinou outra vez.

O lorde terminou de beber o vinho e olhou para o copo.

— Não acredito que ele está vindo para cá agora… talvez seja o jeito do destino dizer que chegou a minha hora… e não completei nem vinte e cinco anos…

— Meu senhor. N-Não deveríamos mandar Lorde Dale para longe? Dizer que não podemos recebê-lo adequadamente no momento… ainda estamos perseguindo os bandidos… e você não se recuperou…

— Bem que eu queria. Mas ele tem poder demais na corte interna, até com a infâmia… recusá-lo não é uma opção… não ao menos que desejemos lidar com as consequências.

Ambos ficaram em silêncio enquanto aguardavam pela chegada do nobre conhecido como Caos Sortudo.

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Obrigado por lerem
Espero que tenham gostado.
Terça que vem tem mais

Se gostam da história e quiserem ajudar, me apoiem no Apoia-se e se inscrevam na minha lista de emails para não perder nenhuma novidade.

About phmmoura

Just an amateur writer who wishes to share the world inside his head.
This entry was posted in Re;Blade PT and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to [PT] Re;Blade 17

  1. Pingback: [PT] Re;Blade 16 | PHMMoura

  2. Pingback: [PT] Re;Blade 18 | PHMMoura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s