[PT] Re;Blade 5

Quinto cap de Re;Blade.
Fael continua a mostrar sua história e como sua tribo sobreviveu depois de quase ser extinta.
Espero que gostem do cap

 

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Capítulo 5 – Aquele que empunha – Parte 2

A trombeta ecoou pela floresta, alta e profunda.

Fael parou o que fazia e fechou os olhos para escutar os ecos.

Ele reconheceu a trombeta, tão parecida com o rugido de uma fera.

— É o sinal — ele disse para seus amigos, mal contendo a felicidade. — O sinal do primeiro Javali Lança após o inverno. Ainda que seja mais tarde que o normal, a Caçada vai começar!

— Calma, Fael — disse seu amigo, virando-se para o som. — Sei que você só quer vencer outra Caçada pra se casar com a Lia, mas tá muito tarde que o normal esse ano. Talvez não seja o sinal do Javali…

— Sim, pode ter acontecido alguma com eles na montanha durante este inverno — disse o outro.

— Não é a primeira vez que isso acontece…

—Vi caçadores perto da montanha — disse Lia com o rosto pesaroso. — Disseram que os plebeus tão fugindo das cidades. Por causa disso, os estoques de comida estão diminuindo e tem pessoas querendo se arriscar caçando Javalis durante o inverno.

— Quem seria louco de caçá-los nessa época?

— Pessoas desesperadas.

— Pessoal, tenho certeza de que aquela trombeta foi pra informar que alguém avistou um Javali — disse Fael, balançando a cabeça para os amigos. Ele aguçou os ouvidos tentando localizar o som.

Enquanto o jovem liderava o grupo na direção do som por entre as árvores, eles escutaram uma segunda trombeta vindo da mesma direção.

O jovem parou, sentindo o coração afundar e o sangue congelar.

Mesmo sem trocar olhares, Fael sabia que os amigos sentiram o mesmo.

Uma trombeta significava que algo incomum aconteceu ou uma chamada para fazer os membros a Tribo da Floresta se reunir.

Mas duas significava que havia inimigos na floresta.

Não importava, mesmo se isso alertasse os inimigos; só eles poderiam descobrir a origem do som naquela floresta que enganava os sentidos dos forasteiros.

Eles continuaram, mesmo temendo o que poderiam encontrar.

Inimigos? De novo…? Após tanto tempo? Com o coração pesado, Fael chegou à origem do barulho.

— O que é isso…? — perguntou, tentando chegar ao centro da comoção.

— Fael… — Uma garota mais nova que admirava o rapaz desviou seus olhos.

Aos poucos, as pessoas se reuniram em círculos e notaram sua chegada, abrindo espaço para ele.

Então, Fael viu.

Havia dois Javalis Lanças mortos no meio do círculo.

Olhando mais de perto, suas barrigas foram cortadas.

— Quem… ou o que poderia fazer isso com eles? — perguntou alguém.

Ninguém falou nada.

Fael percebeu o que todo mundo pensava. Ninguém da Tribo da Floresta mataria um Javali Lança.

Não após o inverno, não durante a temporada de acasalamento.

Porque, se afetassem o ciclo dos Javalis, isso afetaria a floresta, e a eles.

— Poderiam ser predadores? Não podemos afirmar que são inimigos… — disse uma pessoa com a voz trêmula.

Os outros murmuraram, concordando, tentando afugentar as memórias de dez anos atrás de suas mentes.

— Que tipo de predador poderia matar dois Javalis nessa época, quando estão o mais violentos do que o normal? — perguntou Lia.

A multidão ficou quieta após o que ela disse.

Ela tem razão… Não tem como um predador conseguir matá-los nessa estação… o que só pode significar…

— Alguém encontrou sinais de inimigos na nossa floresta? — perguntou, olhando em volta.

Uma garota com não mais que catorze anos, deu um passo adiante. Ela segurou o chifre em uma mão e apertou algo na outra.

— E-Eu encontrei isto — gaguejou ela, tremendo enquanto entregava a lâmina quebrada para o rapaz.

Fael segurou-a na frente dos olhos, seu rosto perdendo a cor enquanto encarava seu reflexo na lâmina cega.

Enquanto a faca era passada, todos mostravam a mesma reação; medo.

Já vi essa lâmina antes, pensou Fael, quando o pequeno metal alcançou suas mãos novamente.

As memórias que voltavam com cada pesadelo encheram sua mente.

É o mesmo tipo de arma…

Ele passou o dedão na ponta, sentindo o frio do metal se espalhar por si.

Após a Grande Invasão de dez anos atrás, a Tribo da Floresta começou a usar metal pela primeira vez em sua história.

Como não podiam trabalhar o metal, eles compraram do reino. Espadas, facas, pás, machados e muitos outros itens que poderiam ser úteis a eles.

Mas a lâmina quebrada era curvada.

E ninguém no reino forjava lâminas curvadas.

Ninguém de fora do deserto.

É claro que eles voltaram… as mesmas pessoas que mataram meus pais e muitos outros…

Um a um, as pessoas reunidas em volta dos cadáveres de animais viraram-se para o oeste, a direção em que o deserto ficava além da floresta deles.

— Não podemos lutar contra eles… — disse um jovem.

— Seremos destruídos dessa vez… — chorou uma garota.

— Precisamos de ajuda… — falou uma senhora de idade.

Os pedidos e lamúrias diziam o mesmo.

Fael também sentia aquilo. Por mais que quisesse, jamais poderia se esquecer da tragédia de dez anos atrás.

Quando os Habitantes da Areia quiseram invadir o Reino atravessando a floresta.

Queriam pegar o Reino desprevenido.

Porém, nunca pensaram que perderiam metade de suas forças para a Tribo da Floresta.

Graças a eles, o Reino conseguiu organizar suas forças e lutar contra os invasores.

Mas com um grande custo.

Perdemos tantos daquela vez…

A Tribo da Floresta mal conseguiu sobreviver apenas com os jovens e velhos.

E sem qualquer ajuda do Reino.

Fael tentou, mas não podia segurar as lágrimas.

Todos aqui perderam tanto…

Perdi minha mãe e pai… e até a Faela me deixou…

— Precisamos pedir ajuda ao Reino desta vez — disse um dos anciões sobrevivente daqueles dias.

— Mas, ancião, eles não vão chegar aqui a tempo — respondeu alguém que não se identificou.

— E eles nunca nos ajudaram — disse Lia, com a voz amarga. — Por que nos ajudariam agora?

— Ainda assim, precisamos pedir — disse o ancião, com a voz firme. — Ainda que não tenham ajudado, agora é do interesse deles também.

— Precisamos de provas — disse Fael, despertando do transe de suas memórias. — Esta lâmina não será o bastante.

— Você tem razão…

— Pode ser só um Habitante da Areia foragido… É difícil saber o que tem na cabeça daquele povo…

— É… você tem razão — concordou um dos membros do grupo de Fael, e mais pessoas murmuraram, parecendo convencidas.

Mas, antes que eles pudessem elevar suas esperanças, o ancião bateu com sua bengala no chão.

— Precisamos descobrir — disse com a voz grave que sobrepôs todas as outras. — Precisamos saber se há qualquer Habitante de Areia dentro de nossa floresta.

Dito isso, a discussão acabou.

Eles se dividiram em dois grupos.

Um grupo vasculharia a floresta e o outro avisaria o resto da Tribo sobre a situação, certificando-se de que todos estavam aptos para realizar suas tarefas.

Fael se juntou ao grupo de vasculha, que se dividiu em vários grupos menores e mais rápidos.

Mas todos tinham a mesma missão; encontrar provas de que realmente havia invasores dentro da floresta deles.

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Obrigado por lerem
Espero que tenham gostado.
Terça que vem tem mais

Se gostam da história e quiserem ajudar, me apoiem no Apoia-se e se inscrevam na minha lista de emails para não perder nenhuma novidade.

About phmmoura

Just an amateur writer who wishes to share the world inside his head.
This entry was posted in Re;Blade PT and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to [PT] Re;Blade 5

  1. Pingback: [PT] Re;Blade 4 | PHMMoura

  2. Pingback: [PT] Re;Blade 6 | PHMMoura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s