[PT] Samurai NOT 16

Trazendo mais um cap nesse último domingo de novembro.
Mais uma luta entre espadachim e samurai.
Espero que gostem

 

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Samurai NOT 16

O samurai estava perto o suficiente para Tadayoshi distinguir os olhos dele. São familiares, pensou o homem que nega ser um samurai. Matei alguém com esses mesmos olhos.

— Você é Tadayoshi-dono — ele perguntou numa voz áspera, como se não tivesse a usado por um tempo. Ele parou alguns passos do espadachim, sua mão pronta para sacar a espada.

Ele está fora do meu alcance, Tadayoshi percebeu, colocando a mão na própria espada. O espadachim observou seu inimigo, envolvendo os dedos ao redor do cabo com mais força do que queria. Se ele for tão forte quanto parece, estou em merda profunda.

O homem não era apenas alto; era tão largo que até mesmo sua sombra cobria Tadayoshi. Ele deve compensar a falta de velocidade com força bruta. E com uma espada como aquela, o espadachim pensou, estreitando os olhos. O cabo e a lâmina era as maiores que tinha visto. Uma Zanbatō, a espada matadora de cavalo… Se ele balançar isso com força total… Se não perder a concentração, ele não vai conseguir me acertar. Mas se eu cometer um erro…

— Sim, eu sou Tadayoshi. — Como se não soubesse. Você não teria tamanha intenção assassina se não tivesse certeza de quem sou. — Tem algo que queira de mim?

— Quero uma luta por Asahi. Aquela espada pertence a minha família.

A espada? Família? Tadayoshi segurou o impulso de olhar para onde Ei estava, onde Asahi estava. Por isso os olhos dele parecem familiares, o espadachim pensou. Não consigo ver o rosto, mas eles têm a mesma presença… Este samurai era maior e mais intimidante, mas possuía a mesma aura que Konkawa Jirou, o samurai que Tadayoshi matara na vila de Ei.

— Consegui a espada depois de derrotar Konkawa numa luta justa. Mas se ela pertence a sua família, eu devolvo.

Com tanta sede de sangue, a espada é apenas uma desculpas para uma luta honorável. Mesmo que ele não estivesse atrás de vingança, um samurai nunca aceitaria a espada de volta sem uma luta, Tadayoshi pensou, suspirando em sua mente. É por isso que samurais são irritantes.

O homem respirou fundo e cerrou os dentes. Como pensei. Ele está ofendido pela minha proposta. Tadayoshi fechou os olhos, expirou e sacou a espada. Se essa luta for tão difícil quanto a com o irmão…

Quando Tadayoshi abriu os olhos de novo, ele não viu um samurai atrás de vingança. Ele não via um homem sedento por uma luta. Tudo que ele via era um inimigo que ele precisava matar se quisesse sobreviver outro dia.

— Asahi pertence à minha família. — o samurai disse de novo numa voz baixa. Mesmo assim, não conseguiu conter toda sua raiva. Com os olhos fixos em Tadayoshi, ele sacou a espada. — E como essa espada, Yuuhi, elas pertencem a mim agora.

Asahi e Yuuhi… Nascer do sol e pôr do sol… bons nomes para um par de espada. Tadayoshi assumiu a posição, olhando de relance para sua katana por um instante antes de encarar seu inimigo. Será que o velho te deu um nome também? Ele soltou uma risada seca. Não lembro. Mas mestre era conhecido por ser um samurai estranho. Aposto que nunca se deu o trabalho de nomear suas espadas também.

O samurai respirou fundo.

— O nome que atendo é Konkawa Ichirou — ele gritou para o espadachim, para o mundo todo. — Tadayoshi-dono, preparasse para lutar. — Ele não disse mais nada enquanto avançava com passos largos, levantando a espada acima da cabeça.

Ele é o mais velho? Tadayoshi se perguntou. Mas foi a única coisa que pensou antes de levantar suas defesas. Em meros instantes, a distância entre eles quase desapareceu. Ele é mais rápido do que parece. Mesmo assim, nem chega perto da velocidade do irmão.

O jeito que ele mexe o corpo, e esse som… Apesar da velocidade, os movimentos de Konkawa eram duros, e cada passada que ele dava tinha um som de metal sacudindo. O que é esse som? Quando o samurai estava vindo até ele e Ei, Tadayoshi escutara o mesmo som estranho e baixo. Mas agora, com o inimigo correndo em sua direção, estava mais alto. Ele está usando armadura, ele percebeu. Quanto azar eu tenho…

O samurai estaria dentro do alcance da espada de Tadayoshi em apenas poucos passos. Ei deve estar vendo, ele sabia. Eu disse pra ela se esconder, mas não tem como minha discípula estúpida perderia essa luta. Então vou mostrar como se faz. Num piscar de olhos, o espadachim saltou para frente, quase zerando a distância.

O samurai arregalou os olhos por trás da máscara. Mas a surpresa dele durou apenas um instante; no outro momento, ele balançou a espada para baixo, para onde a cabeça de Tadayoshi estaria.

As reações dele são mais rápidas que imaginei. O espadachim levantou sua própria espada acima da cabeça e inclinou a lâmina para baixo, se defendendo da mesma forma que tinha ensinado a sua discípula. É bom estar vendo isso, Ei.

Tadayoshi percebeu seu erro no momento em que as duas lâminas colidira. Apesar da Zanbatō nunca o tocar, o pequeno espaço entre o braço dele e a espada sumiu num piscar de olhos. Que absurdo! Sabia que ele seria forte, mas isso é demais para um humano!

Mesmo que tenha durado apenas um instante, mesmo que estivesse a salvo enquanto a lâmina do samurai deslizada por sua espada, Tadayoshi sentiu seu corpo tremendo. Se eu não tivesse o surpreendido, ele teria usado toda a força e eu teria sido jogado.

Mas, mesmo com essa diferença enorme de força bruta, não posso hesitar. Antes que as lâminas se separasse, Tadayoshi pulou diagonalmente. Apesar de Tadayoshi ainda estar dentro do alcance da espada do samurai, quando ele não estava mais sob pressão, seu corpo parou de tremer. Se não aproveitar qualquer chance, vou morrer, o espadachim pensou, apertando o cabo de sua espada.

Preciso pegar ele desprevenido e acabar com isso o mais rápido que der. Sem desperdiçar um instante, Tadayoshi virou brandindo sua arma no momento em que aterrissou, mirando na cintura do inimigo. Mesmo com uma armadura, eu sei todos os pontos fracos.

O samurai notou e saltou para frente para escapar do golpe.

Lento! O espadachim mudou a direção da lâmina. Seu novo alvo era a parte de trás da perna direita que seu inimigo usou para se impulsionar. A espada atingiria o tornozelo do samurai antes que ele escapasse.

Por um breve instante, um sorriso tenso cruzou o rosto de Tadayoshi quando sua espada alcançou seu alvo. Mas quando ele não sentiu nem escutou a sensação familiar de metal cortando carne, o sorriso sumiu.

O espadachim levantou encarando o samurai com a espada diante dele. Sem tirar os olhos do inimigo, ele confirmou; a lâmina estava limpa. Merda…

O samurai virou para seu inimigo, sua espada diante dele, pronto para atacar de novo.

O tempo se esticou e o mudo ficou em silêncio enquanto eles se encaravam, nenhum homem dando o primeiro passo. Ele sabe que eu sou mais rápido, Tadayoshi pensou, ignorando o suor descendo pelo rosto, controlando a respiração. Apesar dele querer me matar, ele está ciente de seus limites e vai me esperar fazer o primeiro movimento… Merda… prefiro enfrentar inimigos arrogantes…

Uma brisa levantou a barra das roupas do samurai e Tadayoshi mordeu os lábios quando ele viu debaixo do hakama. Konkawa não vestia apenas uma armadura; ele tinha um conjunto completo.

— Minha sorte continua me surpreendendo. Enfrentar alguém preparado pra uma guerra… — Apesar de suas palavras despretensiosas, Tadayoshi apertou o cabo da espada com mais força.

Ele não vai se apressar e cometer um erro… Eu tenho que criar uma abertura. Respirando fundo, o espadachim avançou da mesma forma que o samurai. Mas tinha uma diferença; a velocidade. Com pouco passos, o inimigo estava dentro do alcance da espada de Tadayoshi.

O samurai reagiu por reflexo, sua espada indo para onde a cabeça do samurai estaria.

Tadayoshi não mudou seu caminho nem desacelerou. Preciso evitar no último instante, ele pensou, suprindo seu instinto de se afastar daquela espada. Foi mais difícil do que ele imaginou. Ele viu a lâmina vindo em sua direção, ele podia sentir toda força atrás daquele metal…

A lâmina estava diante dos olhos dele, mas no último instante, Tadayoshi saiu do caminho. Sem desperdiçar nenhum tempo, ele atacou três vezes.

O espadachim nunca tinha possuído ou usado uma armadura. Mas seu mestre fizera o discípulo memorizar todos os pontos fracos. Cada um dos ataques de Tadayoshi foram em pontos vulneráveis numa armadura completa; no cotovelo, cintura e na coxa.

Mais uma vez Tadayoshi não sentiu a espada cortando carne, apenas o som de metal contra metal e couro. Sem mostrar qualquer expressão, ele saltou para trás, colocando distância entre eles.

Com parte da roupa destruída, o samurai colocou a mão esquerda por dentro da manga e despiu.

Tadayoshi estava sem palavras. Não era apenas uma armadura completa; era modificada.

O , a proteção do abdômen feito de pequenas placas de ferro amarradas com fios de couro, tinha mais que o dobro do que o normal. O kusazuri, o protetor da virilha e quadril amarrados no dô com um cinto de couro, também era feito com um número absurdo de placas de ferro. O haidate, protetor das coxas composto por pequenas placas de metal, tinha placas espaçadas na parte de trás protegendo os pontos vulnerável deixado para movimento. O suneate, proteção das canelas feito por pedaços alongados de ferro presos diretamente na cota de malhas costurados no tecido amarrado na perna, tinha placas de ferro ao redor dos joelhos.

Correntes de ferro conectavam o haidate e o suneate, cobrindo os joelhos. Comprometia a mobilidade, mas oferecia mais proteção. Nos braços, o samurai usava han kote, manoplas de ferros que protegiam apenas o antebraço, e a cota de malhas por de baixo, protegendo o resto do braço. O cotovelo, onde seria a parte mais fraca para não prejudicar a agilidade, era protegida por correntes ligadas no han kote e a malha de ferro. O sode, proteção dos ombros feito por de placas de ferro, parecia ser a única parte não modificada.

O que é isso…? Como ele consegue se mexer usando isso…? Uma armadura deve proteger sem comprometer a agilidade… mas isso… como ele pode se mexer usando aquilo? Aquilo é pesado demais! Mesmo com sua força maciça, ele não deveria ser capaz de lutar usando aquilo!

Tadayoshi não tinha tempo para pensar. O samurai correu, reduzindo a distância que o espadachim ganhara. Apesar de mudar a ordem, os golpes de Konkawa eram os mesmos; uma ataque vertical, uma estocada e corte lateral, cada um com uma força absurda por trás.

Pensei que ele era lento, mas sem essa armadura, talvez seja tão rápido quanto o irmão, pensou Tadayoshi, levantando sua espada. Ele bloqueou os primeiros golpes, mas logo parou e começou a desviar dos ataques. Vou ficar cansado logo se ficar defendendo todos. Seu corpo já estava sentindo os efeitos do impacto das espadas.

Apesar de seus ataques serem simples, o samurai não deixou muitas aberturas, e as poucas que Tadayoshi viu, eram protegidas pela armadura modificada. Isso vai virar uma luta de resistência… ele estiver acostumado a lutas longas usando aquilo, terei problemas…

O espadachim desviava da sequência imparável de golpes da melhor forma que podia, mas cada ataque tinha seu preço. Depois de um tempo, Tadayoshi suava e ofegava e precisou começar a bloquear alguns dos golpes.

O mestre de Tadayoshi era alguém que nunca evitava um duelo, especialmente um honorável. De acordo com Yasuhiro, a melhor forma para conhecer alguém era através das lâminas. O espadachim sabia que isso era verdade, apesar dele só ter vivido algo parecido pouquíssimas vezes. A última vez foi contra seu próprio mestre. E agora, trocando golpes com Konkawa, Tadayoshi viveu mais uma vez.

Ele se importa com Asahi, mas isso não é nada comparado ao que ele sente pelo irmão. A espada é apenas uma desculpa. Ele falou sobre honra, mas tudo que ele quer é vingar o irmão. Não… não é isso… Ele está de luto pelo irmão… mais do que me odeia…

Está luta só acabará com um de nós morto, Tadayoshi entendeu. E se eu não achar um jeito para atravessar essa armadura, será eu…

Ele está ficando mais rápido… não… Sou eu que está ficando mais lento, Tadayoshi percebeu quando parou a espada do samurai pela terceira vez seguida. Não posso deixar isso se arrastar por mais tempo! Cada momento que a luta se prolongava, o físico monstruoso do inimigo fazia diferença e sua vantagem apenas crescia. Merda! Eu preciso criar uma abertura!

Com uma estocada, o samurai começou uma nova sequência de ataques.

Ao invés de recuar, desviar ou bloquear, Tadayoshi deu um passo para frente. Preciso quebrar o ritmo dele! O espadachim abaixou sua espada, deslocou seu corpo para o lado e invadiu o território do inimigo.

A ponta da espada do samurai passou onde o rosto de Tadayoshi estava momentos antes. Ele sentiu a lâmina a um fio de cabelo de sua orelha, mas ele não piscou ou parou. Tudo em sua mente era terminar a luta o mais rápido que podia.

Tadayoshi levantou a espada, colocando-a entre os braços do samurai. Ele colocou toda sua força no seu ataque, visando a cabeça do inimigo. Mais um pouco e eu vencerei! Tadayoshi conseguia ver sua vitória enquanto sua arma se aproximava do seu alvo. Apesar do rosto vazio, ele não conseguiu parar o olhar de triunfo.

Mas antes que sua espada alcançasse seu alvo, algo pesado atingiu contra o lado da cabeça dele.

O samurai tinha soltado o cabo da espada e acertado Tadayoshi com o braço, a manopla de ferro atingindo o espadachim com todo o seu peso.

Usando o impacto, Tadayoshi conseguiu ganhar alguma distância. Com a cabeça latejando e um zumbido no ouvido, ele levantou suas defesas imediatamente. Mas enquanto encarava o samurai, ele sentiu o cheiro familiar de sangue, e então metade de sua visão ficou vermelha. Ele colocou a mão na cabeça e confirmou. Ele estava sangrando. E muito.

Merda… se eu tivesse tentado isso mais cedo, teria ganho, Tadayoshi pensou, respirando com dificuldades. Meda… outra dessas e é o meu fim… Pense! A cabeça é o ponto mais vulnerável, mas ele é alto demais e as defesas são fortes demais para chegar perto o suficiente… Só consigo atacar os braços e pernas, mas a maioria dos ataques não vão fazer diferença nenhuma nessa maldita armadura…

O samurai avançou de novo e Tadayoshi conseguiu ver o medo naqueles olhos por trás da máscara. Mesmo tendo escapado, ele está com medo. Agora quer terminar no próximo golpe. Então até mesmo ele cansa, ele pensou, rindo apesar da situação.

O espadachim se preparou, mas então tinha dois inimigos correndo atrás dele. Ele é um ninja também? Ele pensou por um momento, balançando a cabeça, sentindo outra rodada de dor. Não acredito que esse golpe me fez doido. Se eu perder a consciência agora, estou morto… não posso morrer… não agora… não ainda!

A imagem de seu mestre morrendo cruzou sua mente turva. Encontre uma razão para viver, Tadayoshi. Então a imagem mudou. Era Ei, e ela estava fazendo algo que ele mal tinha visto ela fazer desde que a conheceu; sorrir. Não vou morrer ainda, ele disse para si.

Tadayoshi fechou o olho vermelho e respirou fundo para recuperar o controle sobre seu corpo. Depois que a dor diminuiu o suficiente para ele continuar lutando, ele colocou a mão encharcada de sangue no cabo e abaixou a espada. Ele estava indefeso.

O samurai hesitou por um momento, mas não parou. Quando estava perto o suficiente, ele colocou toda sua força na espada.

A confiança na armadura é grande demais, Tadayoshi pensou, mantendo a mente vazia e a espada abaixada apesar de seus instintos.

O samurai atacou e Tadayoshi saltou para trás, já preparado para o próximo golpe. Como esperava, Konkawa usou o mesmo padrão, atacando com a estocada.

É agora ou nunca, o espadachim disse para si, agachando.

A espada e os braços do samurai passaram acima da cabeça de Tadayoshi. Ele olhou para cima, procurando desesperadamente pelo seu pequeno alvo; o espaço entre a manopla e as correntes no cotovelo.

Tadayoshi sentiu a surpresa do inimigo, mas sabia que o samurai não conseguiria reagir a tempo. O tempo pareceu ir mais devagar enquanto os instantes se esticavam. Mas se eu perder essa chance, vou morrer, ele sabia.

Quando ele finalmente encontrou seu alvo, ele pulou e levantou a espada, colocando todo seu peso atrás dela. A lâmina passou entre as correntes e através da cota de malha

Pela primeira durante a luta, Tadayoshi finalmente sentiu sua espada perfurando pele, carne e osso. Usando o que restava de sua força, o espadachim puxou a arma para o lado, arrancando o braço direito do samurai e atingindo a manopla do outro braço.

O braço e espada voaram e caíram no chão perto da fogueira de Tadayoshi e Ei ainda viva.

Os gritos do inimigo preencheram os ouvidos de Tadayoshi, silenciando até mesmo o rio.

O samurai agarrou o que restara do braço e tentou parar o sangramento. Cerrando os dentes para parar seus gritos, ele encarou o espadachim.

Tadayoshi conseguia sentir seu ódio através daquele olhar. O samurai realmente parecia um demônio com a máscara agora. Mas um samurai sem uma espada e nada além de uma besta sem presas e acuada, Tadayoshi pensou, ficando entre a espada e o dono.

O samurai olhou entre Tadayoshi e sua espada, mas a única coisa que podia fazer agora era fugir.

Não posso deixar ele escapar, o espadachim pensou, tentando juntar o que restara de suas energias. Ele vai voltar… eu sei… ele amava o irmão demais… Mas mesmo com só um braço, não sei se posso vencer de novo…

Tadayoshi tentou perseguir o inimigo, mas seus ferimentos não permitiram. Sua visão perdeu foco e ficou borrada e suas pernas perderam o resto das forças. Ele cravou a espada no chão e usou como suporte, respirando fundo para manter a consciência. Droga… aquele golpe na minha cabeça… foi pior… do que pensei… Ele sentiu, mas não conseguiu parar o vômito.

Respirando fundo de novo, ele conseguiu parar a tontura. Tadayoshi tirou uma mão da espada e limpou a boca e o sangue e suor dos olhos. Com certo esforço, ele olhou ao redor, tentando achar seu inimigo.

O samurai ainda estava fugindo, mas não tinha chegado longe.

Então o ferimento e o cansaço o afetaram também, Tadayoshi pensou enquanto encarava as costas de Konkawa. Preciso ir atrás dele, ele disse para si.

O samurai estava indo na direção da árvore solitária perto do rio,

A mesma árvore que Ei estava escondida…

Tadayoshi arregalou o olho bom. Não… não… não…

O samurai tinha perdido a luta, mas pelo menos pegaria a espada da família, do irmão. Ele viu Ei carregando… ele não vai hesitar em matá-la pra pegar a espada. Tadayoshi não podia deixar isso acontecer. Não vou perder alguém… não de novo…

Tadayoshi puxou a espada do chão, mas a lâmina não se mexeu nenhum pouco. Ele fechou o olho e ignorou a exaustão. Reunindo o que restara de suas forças, ele puxou.

Pouco a pouco, a espada saiu do chão. Mas Tadayoshi não tinha mais energias para levantá-la, muito menos para correr. Mesmo assim, ele se forçou a dar um passo, e depois outro.

Mas o samurai estava longe demais para ele, fora de seu alcance. Nunca vou alcançá-lo a tempo, Tadayoshi pensou, forçando suas pernas a andarem.

Konkawa estava quase na árvore e Tadayoshi mal tinha saído do lugar.

O samurai alcançara a árvore. Ele estava debaixo dela, procurando os galhos, procurando pela garota, procurando pela espada. Konkawa parou, seus olhos fixos num galho.

Era longe demais para Tadayoshi ver, mas ele sabia que o samurai tinha encontrado a discípula dele.

Não! Tadayoshi gritou em seu coração, fraco demais para usar sua voz.

O que aconteceu em seguida parecia desenrolar lentamente diante dos olhos do espadachim.

Ei gritou e pulou de um dos galhos mais altos, a espada desembainhada em mãos.

Tadayoshi sentiu seu coração parar e seu corpo gelar. Não podia fazer nada para salvar sua discípula.

O samurai olhou na direção do grito. Ele tirou a mão que restara do braço mutilado e levantou.

Daquela distância, Tadayoshi não sabia dizer se o samurai estava tentando se proteger ou pegar Asahi. Mas então, finalmente o samurai se reuniu com a espada de seu irmão.

A ponta da lâmina perfurou palma da mão dele. Mas com o peso todo de Ei atrás, a espada não parou.

O samurai caiu para trás e não conseguiu mudar a direção do ataque. A espada continuou e quebrou a máscara, perfurando-o entre os olhos.

Tadayoshi finalmente se arrastou até a árvore.

Ei ainda estava parada em cima do samurai, segurando a espada como se sua vida dependesse. Ela colocava tanta força que suas mão estavam pálidas. Mas a menina não tremia. Ou demostrava qualquer reação.

Uma estátua viva.

Tadayoshi colocou uma mão sobre os dedos gelados dela.

Mas a garota não percebeu seu mestre ao seu lado.

Capítulo Anterior                                           Menu                                           Próximo Capítulo

Espero que tenham gostado.

Se gostam da história e quiserem ajudar, me apoiem no Apoia-se e se inscrevam na minha lista de emails para não perder nenhuma novidade.

About phmmoura

Just an amateur writer who wishes to share the world inside his head.
This entry was posted in SN [PT] and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to [PT] Samurai NOT 16

  1. Pingback: [PT] Samurai NOT 15 | PHMMoura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s