[PT] Nadador 3

Bom dia. Graças ao feriado (dia das crianças) trago o capítulo de o nadador um pouco mais cedo que o de costume.

 

Capítulo Anterior                                     Menu                                             Próximo Capítulo

O Nadador e o Assistente

— Quê? Você é um cara? — exclamou Marcelo. Ele cobriu a boca, olhou para o garoto da cabeça aos pés e riu. Mas quando Nelson mostrou a palma aberta, o sorriso sumiu. Ele estalou a língua e pegou a carteira. — Porcaria. Acabei de perder 50 contos… E tava certo de que seria grana fácil. — Ele suspirou e balançou a cabeça. — Então você é Cris Prado Maranhão, hã?

— Sim. Cristovão Prado Maranhão. Mas podem me chamar de Cris. É um prazer conhecê-los. Foi mal pela aposta — disse o rapaz para Marcelo, ainda sorrindo. Então ele se virou para Nelson com uma expressão séria. — A partir de hoje, digo, amanhã, serei seu assistente pessoal.

— É um prazer conhecê-lo — disse Nelson. — Espero que nos demos bem.

— Eu vou deixar os dois sozinhos para começarem esse laço de parceria ou sei lá o que— disse Marcelo e se afastou com uma expressão desapontada, murmurando algo que soava como 50 contos.

A expressão de Cris se aliviou com um sorriso enquanto ele se movia do sofá para sentar bem na frente de Nelson.

— De nada por esse dinheiro — ele disse, olhando a nota com uma onça.

Nelson olhou entre a nota e o rapaz e riu. Ele pegou a carteira e guardou o dinheiro.

— Valeu. Dinheiro mais fácil que já arranjei. Vou te pagar algo.

— Eba. — O sorriso de Cris se alargou. No segundo seguinte, o sorriso ficou malicioso. — Mas você não está confiante demais?

— Hã? Confiante no quê?

— Que não vai se apaixonar por mim. — Nelson mostrou uma cara confusa. — Não é o primeiro homem que diz que não ia se apaixonar por mim — adicionou Cris.

Nelson abriu a boca, mas fechou logo em seguida, incerto de como responder. Ele se inclinou de volta no sofá e olhou para o garoto sorridente.

— É mesmo? E como acabou?

— Da melhor forma possível. — Cris mostrou sua língua de forma maliciosa.

Após um momento de silêncio, Nelson sorriu e riu.

— Que bom pra você, acho. Mas até com esse seu histórico, estou confiante de que não vou me apaixonar por você.

— Porque não curte homens? Já escutei isso antes. Mais de uma vez.

— Tem isso também — respondeu Nelson. — Mas mesmo que curtisse ou se você fosse uma garota, eu me esforçaria pra não me apaixonar por ninguém. Preciso dar tudo de mim pra conseguir meu objetivo.

— Então você é do tipo que diz que o romance atrapalha a natação, hein?

— Essa não é… a melhor forma de resumir.

— Mas é a verdade, não é? — disse Cris, dando de ombros. — Já fui assistentes de pessoas como você antes. Espero que não me culpe se não conseguir os resultados desejados.

— Sem problemas. Não sou um bebê chorão — disse Nelson, rindo. Então seu sorriso sumiu e a expressão ficou séria. — Mas, sério, é meio que não posso perder o foco. Não depois de tudo…

— Seu acidente…

— É… — A festa continuou, ninguém notou que os dois quietos. — Preciso recuperar o tempo perdido. Se eu perder um só segundo, posso jogar fora a oportunidade de uma vida — disse, abrindo os braços para indicar tudo.

— Recuperar o tempo perdido. Não perder nem um segundo — repetiu Cris, balançando a cabeça. — Realmente não entendo nadadores. Você, tipo, não acabou de fazer 18? Tem a mesma idade que eu, mas fala como se fosse o fim da sua vida. Aproveite mais sua juventude.

Nelson sorriu. Quantas vezes escutei isso antes?

— Sei do que você está falando, mas não penso que dar tudo de mim na piscina é perda de tempo — ele disse. — Acho que… talvez eu posso entrar pra história… deixar minha marca…

Cris encarou o jovem com um olhar confuso.

— Talvez isso seja algo pelo qual vale a pena apostar sua juventude… Mas, ainda assim, não entendo vocês. Eu prefiro me apaixonar do que ficar horas e horas na piscina.

Dessa vez foi Nelson quem riu. Até atraiu a atenção de algumas pessoas.

— É muito estranho ouvir isso de um Prado Maranhão.

— Não sou que nem eles — disse Cris, bruscamente e com a voz baixa enquanto encarava Nelson. O garoto mordeu os lábios e respirou com dificuldade, toda a alegria de antes se fora. — Só por ser da Família, não significa que eu preciso amar a água ou qualquer esporte envolvendo ela.

Nelson ficou olhando, sem jamais piscar.

— Desculpa. Não quis ofender.

Cris suspirou e olhou para o chão enquanto esfregava os olhos.

— Desculpe descontar em você. Não me ofendeu, só que… estou cansado das pessoas me olhando como se fosse uma aberração só porque não quero trabalhar com nada relacionado à natação.

— Se eu puder perguntar, se é assim, por que você é um assistente?

— Dinheiro — disse imediatamente com uma expressão séria, tão rápido que Nelson ficou em silêncio por um segundo e então riu. — Qual a graça? Não é um bom motivo para trabalhar? Sabe que é por isso que a maioria rala todo dia.

— Foi mal, é só que você é a primeira pessoa a ser honesta com isso — disse Nelson, tentando conter o sorriso. — Minhas assistentes anteriores diziam que era porque amavam nadar e queriam ajudar a próxima geração de nadadores do Brasil. Mas eu tenho certeza de que o dinheiro pesava mais do que esse ideal.

Cris abriu a boca e então a fechou com um suspiro.

— Eu prefiro ser honesto do que usar uma desculpa esfarrapada pra trabalhar com você. Se não tiver problema com isso, então ótimo. Só espero que não ligue de eu ser gay.

— Já foi um problema antes?

— A última pessoa da qual fui assistente era uma menina religiosa. Depois que descobriu que a gente curtia a mesma coisa, ela ficou me dando dicas sutis pra entrar pra igreja dela e salvar minha alma pecadora das eternas chamas do inferno. Foi muito divertido. — Cris ergueu os dois polegares com um sorriso forçado. — O cara antes disso disse que não tinha absolutamente nenhum problema, já que ele era 100% hétero. Segundo ele, mesmo que eu parecesse menina e tentasse seduzi-lo, ele não se importava, desde que eu o ajudasse. Tomei as palavras dele e comecei a trabalhar de maiô.

— O que aconteceu?

— Ele ficou insistindo que não ligava, embora eu pegasse ele olhando pra mim aqui e ali e com um monte suspeito entre as pernas. Comecei a suspeitar, mas quando peguei o cara num cinco a um com uma foto minha de maiô, suspeitei pra valer — disse com uma falsa expressão intrigada.

Nelson riu. Um maiô cairia bem nele, a ideia veio a sua mente e ele imaginou Cris em um maiô normal.

— Pelo que você disse, estava afetando o desempenho dele. Não quero que isso aconteça comigo.

— Ele era um babaca com talento. Mas o problema de verdade era o ego. Era maior do que o talento da criatura. Já é uma combinação ruim pra maioria dos atletas, mas no caso dele, era monstruosamente perigosa. E ele nem notava. Faltava treinos e me culpava, dizendo que eu que devia avisar essas coisas pra ele. E teve mais, mas o ápice foi o desempenho dele no Pan-Americano. Um dos piores resultados já vistos — disse Cris, balançando a cabeça. Ele tentou mostrar uma expressão desapontada, mas Nelson viu um sorrisinho escondido.

— Acho que sei quem é. Aquele cara era um idiota.

— Liga não. Você não tem cara de babaca, então não vou tentar isso contigo.

— Agradeço, eu acho. Mas já te disse. Se não fizer qualquer diferença, não tem problema de minha parte. Preciso de toda ajuda que puder conseguir agora.

— Fala do contrato? — perguntou Cris em voz baixa.

— Sim — admitiu Nelson depois de um tempo. — Acho que você já sabe, mas meu contrato acaba com o próximo Mundial. Deveria ser renovado depois de Londres, mas daí teve o acidente… Preciso dar o máximo de mim para ir pro Mundial do ano que vem. É o primeiro passo pra estar no Rio daqui a quatro anos.

— É… um objetivo e tanto na sua situação atual — disse Cris, olhando Nelson nos olhos.

— Pois é. Se estiver a fim de me ajudar, então aceito com todo prazer. — Nelson ofereceu sua mão.

Cris olhou para a mão por um momento e depois sorriu antes de apertá-la.

— Se não tiver problema comigo, então farei tudo que puder para ajudá-lo a chegar nesse objetivo

Capítulo Anterior                                     Menu                                             Próximo Capítulo

Espero que tenham gostado. Se sim, me ajudem no Apoia-se e se inscrevam na minha lista de emails para não perder nenhuma novidade.

Até quinta que vem

 

About phmmoura

Just an amateur writer who wishes to share the world inside his head.
This entry was posted in Nadador and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to [PT] Nadador 3

  1. Pingback: [PT] Nadador 2 | PHMMoura

  2. Pingback: [PT] O Nadador 4 | PHMMoura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s